Quando a igreja não serve para nada (Mateus 17.14-21)

O relato de Mateus 17.14-21 nos ensina lições valiosas sobre os discípulos de Jesus.A narrativa informa que havia um jovem possesso pelo mal. Um jovem que tinha ataques e sofria muito. Somos informados que ele caia “no fogo ou na água” (Mt 17.15b). O rapaz era um exemplo supremo de destruição com fortes tendências suicidas.

 

Infelizmente, há muitos jovens assim em nosso tempo. Jovens vivendo literalmente com um comportamento autodestrutivo.Somos informados que o pai daquele rapaz “aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se diante dele e disse: ‘Senhor, tem misericórdia do meu filho. Ele tem ataques e está sofrendo muito” (Mt 17.14-15a). O homem estava aflito com a situação espasmada do filho. Assim como fazem muitos pais hoje, aquele homem queria ajudar seu filho. Ele intercedeu humildemente diante de Jesus buscando ajuda.

 

É nesse ponto que aparece uma informação triste: os discípulos de Jesus não tinham poder para ajudar o rapaz. Enquanto Jesus estava no monte vivenciando um momento glorioso com Pedro, Tiago e João, os outros discípulos na planície eram inoperantes.
Esse é um alerta urgente para a igreja hoje! Precisamos de poder! Não podemos ser crentes-árvore-de-natal: enfeitados, mas sem frutos. Não basta pregarmos sermões bem elaborados e intelectualmente perfeitos. Do mesmo modo, não basta pregarmos mensagens emotivas e sentimentalistas. Precisamos de poder! De nada vale empolgação sem transformação. De nada valem eventos e shows sem compromisso com o discipulado. Aliás, vivemos numa cultura cristã saturada de eventos. Como disse o pastor Simonton Araújo, o próprio termo se condena: “evento”, “é vento”. Na verdade, muito do que a igreja faz sob a imagem de evangelismo, não passa, afirmou o pastor Araújo, de “pesca esportiva”. O evento fisga pessoas, mas depois as solta tranquilamente para o mundo.

 

Precisamos de poder. Precisamos perguntar hoje o que o apóstolo Paulo questionou aos gálatas: “Será que vocês são tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, querem agora se aperfeiçoar pelo esforço próprio?” (Gálatas 3.3).

 

Portanto, podemos questionar: Quando a Igreja não serve para nada?Jesus mesmo disse aos seus discípulos no sermão do monte que o sal insípido “não serve para nada”. Podemos refletir sobre isso nessa passagem do evangelho de Mateus.

 

Afinal, quando a Igreja não serve para nada?

 

  1. A Igreja não serve para nada quando não cumpre sua missão. O pai do garoto disse: “Eu o trouxe aos teus discípulos, mas eles não puderam curá-lo” (Mateus 17.16). Perceba que Jesus enviou seus discípulos e os comissionou explicitamente: “expulsem demônios” (Mateus 10.8). Mas aqui estão eles impotentes diante da missão. A Igreja precisa cumprir seu chamado, deixar de ser ensimesmada e partir para ação. Como diziam líderes cristãos do passado: “sal fora do saleiro”. Podemos dizer também: “carta-viva fora do envelope” ou “perfume fora do frasco”. Na sociedade contemporânea devemos cumprir nossa missão. Hoje o Ocidente tornou-se um campo missionário novamente. Devemos estar preparados e cheios de poder do alto para anunciarmos o evangelho num mundo pós-cristão, relativista, hedonista e secularizado.

 

  1. Além disso, a Igreja não serve para nada quando falta poder espiritual. Os discípulos “não puderam” curar o jovem. Não tinham poder. Havia lacuna de unção. Como é triste ver a que estado chegaram denominações cristãs que tiveram um passado reluzente sendo conduzidas por caminhos de liberalismo teológico. O resultado não foi outro: falta de poder espiritual, reuniões esvaziadas, ruína da moral. Chorei ao visitar alguns prédios na Inglaterra que em outros séculos foram celeiros missionários, locais de fervorosas reuniões de oração e exposição poderosa das Escrituras, transformados hoje em hotéis e restaurantes. Precisamos urgentemente da unção do Espírito Santo!

 

  1. Do mesmo modo, a Igreja não serve para nada quando lhe falta fé. Jesus, indignado, disse: “Ó geração incrédula” (Mateus 17.17). Depois foi inquirido pelos discípulos: “Por que não conseguimos expulsá-lo?”, ao que Jesus respondeu: “Porque a fé que vocês têm é pequena” (Mateus 17.20). Ora, sem fé é impossível agradar a Deus. Conta-se que um jovem pregador perguntou para o experiente pastor Charles Spurgeon: “Por que pouquíssimas pessoas se converteram a Deus através do meu ministério?”. Spurgeon o questionou: “Mas você acha mesmo que milhares de pessoas se converterão a Cristo através de você?”. “Ah! Acho que não!”, respondeu o jovem. “É justamente por isso que seu ministério é mínguo e pouco eficaz” encerrou Spurgeon. Na teoria até os super-heróis das histórias em quadrinhos são cristãos: Clark Kent é metodista, Bruce Wayne é anglicano, Hulk e Demolidor são católicos. Mas nunca vimos nenhum deles anunciando Jesus Cristo. Há muitos vivendo um cristianismo light, brando, nominal. Precisamos exercer nossa fé!

 

  1. Podemos aprender ainda que, a Igreja não serve para nada quando não há comunhão com Deus. Jesus disse que aquela “espécie” de demônios só sai pela oração (Mateus 17.21. Este versículo não aparece em certos manuscritos antigos das Escrituras, mas de qualquer forma está registrado nos manuscritos de Marcos, precisamente em 9.29). Alguém, por favor, me responda: Qual o sentido de ser discípulo de Jesus se você não o segue de verdade, não se relaciona com ele? Se alguém professa Jesus e não ora, é um cristão nominal. Oração é comunhão com Deus. Já disse Spurgeon: “uma alma sem oração é uma alma sem Cristo”. O que nós precisamos fazer é orar! Vale mais 1 hora com Jesus do que a vida inteira na companhia de outras pessoas. “Quanto mais presença de Jesus na sua vida, menor sua carência pela adulação dos outros”, disse Brennan Manning. “Ore por grandes coisas, trabalhe por grandes coisas, espere grandes coisas, mas acima de tudo, ore”, afirmou Torrey. Você ajuda mais a humanidade orando do que fazendo qualquer outra coisa.

 

 

A poderosa ação de Jesus

 

De modo oposto aos discípulos sem poder, Jesus exerce sua autoridade espiritual. Jesus desce do monte da glória e vem de encontro às necessidades de uma multidão sofrida. Enquanto a religião é o homem buscando Deus, o evangelho é Deus buscando o homem. Desde a pergunta divina para Adão registrada em Gênesis 3.9: “Onde está você?”, o Senhor está em busca do homem. Jesus então sai da presença do Pai e vai de encontro a um jovem possesso.

 

“Jesus repreendeu o demônio; este saiu do menino que, daquele momento em diante ficou curado” (Mateus 17.18). Jesus é assim: enquanto o Diabo destrói a pessoa, Jesus a coloca de pé. Jesus estava cheio de poder. Ele disse no início de sua ação: “O Espírito do Senhor está sobre mim” (Lucas 4.18). O evangelho diz que “todos procuravam tocar nele, porque dele saía poder que curava todos” (Lucas 6.19). Uma mulher doente tocou em Jesus e foi curada. Nosso Senhor disse: “Alguém tocou em mim; eu sei que de mim saiu poder” (Lucas 8.46). Precisamos do poder do Espírito Santo. Jesus nos deu uma missão sobrenatural e também uma capacitação sobrenatural.

 

Sem engajamento na missão, sem transformar vidas, sem poder, sem fé, sem comunhão com Deus, a Igreja não serve para nada. Acaba se tornando um mero ajuntamento de pessoas. A Igreja vira um clube e perde sua razão de ser. Se a Igreja perde sua razão de ser ela é como sal insípido e não serve para mais nada, além de ser lançada fora e pisada pelos homens. Havia estradas pavimentadas com sal na Antiguidade. Sal sem gosto só serve para ser pisado, afirmou Jesus.

 

Portanto, se a igreja perde seu propósito de existir, o culto é mera performance, uma perda absoluta de tempo, um evento para fanáticos e pessoas desorientadas. Sem razão de ser a Igreja se torna lugar de gente tola. Haveria muito mais o que fazer do que pertencer à Igreja. Pode até haver gente religiosa que continuaria na Igreja, mas com certeza não seria meu caso e, creio eu, da maioria das pessoas.

 

Se eu não conhecesse Jesus, o poder de Deus, a glória de servi-lo, a alegria da salvação, a força da oração, o renovo do Espírito Santo, a razão da existência em Cristo, a transformação do meu caráter, a purificação da minha consciência e tudo que vivencio diariamente com Deus, eu jamais devotaria minha vida a outra religião. Só me restaria o ateísmo, o niilismo, a vida absurda, inócua, vazia e sem esperança. Talvez eu fosse até mesmo condenado ao suicídio. Todas as outras opções do supermercado religioso contemporâneo, o agnosticismo, o deísmo e etc, não me fazem o menor sentido. Como Pedro perguntou em tom retórico: “para quem iremos nós se só tu tens as palavras de vida eterna?”. Se Jesus fosse um engodo, não haveria a quem recorrer. Confúcio, Maomé, Kardec, Marx? Perdoem-me os sinceros seguidores desses líderes, mas nenhum deles tem para mim respostas satisfatórias. Tenho franco respeito por eles, mas nenhum deles derramou gotas de sangue por mim. Nenhum deles foi açoitado no meu lugar. Nenhum deles foi humilhado por mim. Nenhum deles foi crucificado por mim. Nenhum deles morreu por mim. Nenhum deles ressuscitou dos mortos. Nenhum deles me amou até o fim. Nenhum deles e nenhuma outra pessoa. Isso faz de Jesus Cristo único. Ele é incomparável, inigualável, supremo.

 

Assim, se eu não tivesse absoluta convicção que meus pecados foram perdoados mediante o sacrifício de Jesus na cruz, a única alternativa que faria lógica para mim seria o ateísmo. E, para isso, não seria sequer necessário ler Nietzsche, Freud, Hitchens, Dawkins, Harris. Seria perda cabal de tempo e paciência.

 

Mas eu genuinamente conheço Jesus Cristo. Como Jó eu digo: “Eu sei que meu Redentor vive”. Como Paulo eu afirmo: “Eu sei em quem tenho crido”, ou ainda “já não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Eu creio em Deus, eu vivo para ele. Como disse David Brainerd, “se eu tivesse mil vidas eu entregaria todas elas a Cristo”. Tenho uma linda família, tenho diplomas universitários, tenho uma bela casa, tenho prazer em viver, mas nada, absolutamente nada, se compara com meu deleite em Jesus Cristo. Se comparado com a suprema grandeza de Jesus Cristo, toda minha vida é poeira inútil. Ele é meu Alfa e meu Ômega. Dele, por ele e para ele quero viver. Quero anunciar tudo que ele fez por mim até o último suspiro, a última batida cardíaca e a última gota de sangue.

 

Fica para nós o desafio. Não podemos ficar acuados ante os ataques malignos. São os demônios que devem correr de nós. Li que o desbravador Vasco da Gama atravessava uma terrível tempestade em sua segunda viagem em direção à Índia. Os marinheiros estavam desesperados porque as ondas estavam açoitando a embarcação violentamente. Quando alguns membros da tripulação se deram por vencidos e começaram a chorar aflitos, os relatos dizem que o capitão Vasco da Gama começou a gritar e urrar para aqueles homens em meio à tormenta: “Levantem! Levantem! Vocês não devem temer o mar! É o mar que está aterrorizado com a nossa presença!”. A tripulação recobrou o animo, lutou bravamente e passou pela tempestade. Assim, os discípulos não devem temer o mal: maior o que está em nós! Jesus possui todo poder e autoridade!

 

Devemos buscar com paixão o Espírito Santo de Deus. Se não estivermos cheios de Deus não há como transbordamos! Sem enchimento não há vazão. Conforme registrado em Mateus 17.20b), Jesus disse: “Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada lhes será impossível”.

 

Para a Igreja cheia de poder, nada é impossível.

Comments are closed.