Postados por: Davi Lago

ESTUFA STOTT

A ESTUFA STOTT é um grupo de estudos baseado nos ensinos bíblico-pastorais de John Stott destinado a formar jovens líderes para a igreja brasileira com quatro marcas essenciais: cristocentricidade, espiritualidade equilibrada, pregação bíblica e inteligência missionária. John R. W. Stott foi um dos mais importantes líderes cristãos do século XX, com um ministério marcado pelo equilíbrio. Erudito com formação em Cambridge, piedoso pastor na All Souls Church em Londres, autor essencial no Pacto de Lausanne em 1974, Stott deixou vasta obra escrita entre comentários bíblicos, estudos teológicos e orientações pastorais. Nestes tempos de sobrecarga de informação, narcisismo e superficialidade, cremos ser urgente voltarmos nossas atenções à exemplos sadios de homens íntegros, que combateram o bom combate, terminaram a carreira e guardaram a fé. Precisamos obedecer ao texto de Hebreus 13.7-8:  “Lembrem-se...

Cientificismo, moralismo e fé cristã: Reflexões a partir de uma leitura de Tzvetan Todorov

[Texto publicado originalmente no site da Associação Brasileira Cristãos na Ciência em 3/3/2017. Disponível em: http://www.cristaosnaciencia.org.br/recursos/cientificismo-moralismo-e-fe-crista-reflexoes-a-partir-de-uma-leitura-de-tzvetan-todorov/]       Considerando a missão da Associação Brasileira de Cristãos na Ciência em operar como uma embaixada de sentido entre o universo da fé cristã e o universo da ciência, e seu objetivo em “promover o diálogo aberto, honesto e respeitoso entre estes dois campos, tendo sempre e conta a liberdade e a soberania das respectivas esferas sociais e as finalidades intrínsecas de cada esfera”[1], propomos no presente texto algumas reflexões a partir de uma leitura de Tzvetan Todorov – sobretudo sua análise do cientificismo e do moralismo a partir do Iluminismo.   Nascido na Bulgária e radicado na França desde os anos 1960, Todorov faleceu no dia 7 de fevereiro de 2017, aos setenta e sete anos....

Síndrome de Capitão Gancho e o primado do perdão

Você sabia que no livro “Peter Pan” de J. M. Barrie o Capitão Gancho é descrito como cristão? Na verdade, o autor especifica que Gancho e todos os seus piratas são protestantes com a exceção de um: “o imediato irlandês Barrica, um homem estranhamente simpático que esfaqueava sem querer ofender, digamos assim, e que era o único membro da tripulação de Gancho que não pertencia à Igreja Anglicana” (BARRIE, J.M. Peter Pan. Rio de Janeiro: Zahar, 2012, p.86). Entendo que sofrem de “Síndrome de Capitão Gancho” todas as pessoas que não saem da Terra do Nunca por causa da fixação em se vingar dos outros. Gancho que não zarpa da ilha enquanto não se vingar de Peter Pan que lhe arrancou a mão. E há pessoas assim: com a vida travada...

pequenos cristos

Pequenos cristos: Roteiro para uma nanorrevolução por Davi Lago “Cristão” significa “pequeno cristo”. Que somos pequenos não há dúvidas. Em relação à imensidão da história, nossa vida é como um milionésimo de segundo. Em relação à imensidão do cosmo, se a nossa Via Láctea é um grão, o que dirá da Terra e o que se dirá de nós? Ou seja, no tecido espaço-tempo somos uma diminuta partícula. O problema, no entanto, é que além de nossa finitude material, nos tornamos espiritualmente miseráveis ao abandonarmos nosso Criador. Nos tornamos pessoas mesquinhas, arrogantes, invejosas, vingativas. Jesus é a revelação que Deus tem misericórdia de nós, apesar de nossa pequenez moral. O evangelho é o convite a seguir os passos de Jesus Cristo em direção à cruz, para uma vida cheia de amor, alegria e...

Plante de manhã a tua semente e não cruze os braços a tarde

De: Davi Lago Para: Você.       Meu bem,   se existe uma conclusão inquestionável acerca da vida é esta: Nem sempre colhemos o que plantamos. A “lei da semeadura e da colheita” é comprovadamente uma lei falível.   Mas repare bem no que eu disse: “NEM SEMPRE COLHEMOS”.  Ou seja, via de regra colhemos sim aquilo que plantamos. Ser “falível” significa ser “passível de falhar”; não “falhar sempre”.   O momento da semeadura pode ser difícil, mas em termos gerais, a colheita sempre vem: “Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes” (Salmo 126.5-6). Claro que a colheita pode dar errado, como está escrito na própria Bíblia: “Os velozes nem sempre vencem a corrida; os fortes nem sempre triunfam...

Crônica Trintenária: Quando eu trintar

Dia sete de março de 2016 conjugarei o verbo trintar no presente do indicativo – permitindo Deus. Trinta anos é uma idade significativa na Sagrada Escritura: “José tinha trinta anos de idade quando começou a servir ao faraó, rei do Egito” (Gn 41.46); “Saul tinha trinta anos de idade quando começou a reinar, e reinou sobre Israel quarenta e dois anos” (1Sm 13.1); “Davi tinha trinta anos de idade quando começou a reinar, e reinou durante quarenta anos” (2Sm 5.4); “Jesus tinha cerca de trinta anos de idade quando começou seu ministério. Ele era, como se pensava, filho de José, filho de Eli” (Lc 3.23). Quero começar algo novo aos trinta anos. Perceba que os quatro versos repetem a expressão “quando começou”. Creio que algo novo começará. Semeio para que algo...

Epístola aos Paulistanos

Davi, escravo de Jesus Cristo, Rei dos reis e Senhor dos senhores, aos amados irmãos conterrâneos da Cidade de São Paulo. Das varandas do meu lar vejo nossa linda selva de pedra. Amemos a cidade global, veloz, frenética, inquieta. Irmãos, oremos por nossa terra da garoa. Não nos esqueçamos de entregar a mensagem, não nos esqueçamos que somos mensageiros! Um anjo é um mensageiro. Sejamos anjos da garoa. Nossa cidade carece de mensageiros da paz. Que possamos nos atentar ao lema de nosso brasão: “Non Ducor Duco” (Não sou conduzido, conduzo). Irmãos, precisamos abrir os olhos. Não podemos ser levados por qualquer vento de doutrina, devemos falar a verdade com santo amor. Irmãos, nasci aqui na cidade de São Paulo, no estado de São Paulo, na Maternidade São Paulo e...

A noite em que meus irmãos voaram após Peter Pan

  A NOITE EM QUE MEUS IRMÃOS VOARAM APÓS ASSISTIR PETER PAN Davi Lago   Em 1994, aos oito anos de idade, assisti com meus irmãos o desenho-Disney do Peter Pan. Depois da sessão, obviamente, tentamos voar. Misteriosamente, conseguimos.   Na verdade, apenas meus irmãos.   Para quem não lembra – ou não ficou sabendo – a fórmula para voar é simples: basta pensar em alguma coisa boa/bela/feliz, de preferência a melhor coisa que for capaz de imaginar, e receber sobre si uma pitada de pó de Pirlimpimpim, que é um tipo de areia dourada mágica da fada Sininho. Ou seja: Pensamentos bonitos + Pirlimpimpim = Capacidade de voar.   Era tarde, por volta de duas da manhã, então não me lembro se Sininho passou em nosso quarto. Faz muito tempo, não tenho como lembrar os detalhes[1]. Mas lembro...

Natal é um início

Versos natalinos por Davi Lago Natal é começo, cruz é consumação, ressurreição é triunfo. Natal é Belém, cruz é Jerusalém, ressurreição é Nova Jerusalém. Natal é mirra, incenso e ouro, cruz é vinagre, pregos e coroa de espinhos, ressurreição é luz inacessível. Natal é a estrela rasgando os céus, cruz é o véu rasgado, ressurreição são corações rasgados. Natal é fuga para o Egito, cruz é caminhada para fora da cidade, ressurreição é “ide por todo o mundo”. Natal é o bebê envolto em panos deitado na manjedoura. Cruz é o homem envolto em lençóis deitado morto no túmulo. Ressurreição é o corpo glorificado, vestes santas e morada celeste. Natal é doutrina da encarnação, cruz é doutrina da expiação, ressurreição é doutrina da glorificação. Natal é “assumir a forma de servo”, cruz é “obedecer até a...

Sangue protestante

[SANGUE PROTESTANTE por Davi Lago] Sou protestante como Lutero, que protestou contra a hipocrisia religiosa de seu tempo. Sou protestante como Johannes Kepler, a figura-chave da revolução científica do século XVII, que afirmou: “quanto mais estudo os céus, mais contemplo a perfeição de Deus”. Sou protestante como Johann Sebastian Bach, o maior compositor de todos os tempos, que escrevia em cada partitura: “Somente a Deus seja a glória”. Sou protestante como William Wilberforce, que protestou contra a escravidão e se tornou a figura central na abolição do regime escravista mundial. Sou protestante como C. S. Lewis, que disse: “Eu acredito no cristianismo como acredito que o sol nasce todo dia. Não apenas porque o vejo, mas porque através dele eu vejo tudo ao meu redor.” Sou protestante como Martin Luther King, que protestou e conquistou os...

Mensagem de Davi Lago no TST – Tribunal Superior do Trabalho

  Mensagem aos servidores da Justiça Trabalhista     Proferida no Culto Inaugural no Tribunal Superior do Trabalho Brasília, DF, dia 13 de março de 2015   Por Davi Pereira do Lago       “Vede! O salário dos trabalhadores que ceifaram vossos campos, e que por vós foi retido com fraude, está clamando. Os clamores dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor Todo-Poderoso” (Tiago 5.4).   O texto afirma que há um clamor por justiça.   Os trabalhadores ceifaram os campos, cumpriram o dever: empunharam foices, golpearam a seara, recolheram os mantimentos. Estão cansados, talvez exaustos. Existem calos nas mãos, bolhas nos pés, suor por todo corpo, mas um alento no coração: a expectativa de receber o pagamento.   Fizeram o devido perante seus patrões e foram receber o que mereciam. Contudo, veio a má notícia: não haveria pagamento.   É um grande contraste: enquanto os...

Eneas Tognini, estadista do Reino (1914-2015)

Eneas Tognini (1914-2015) | Obrigado Senhor Deus pela vida do amado Pastor Eneas Tognini. Por sua dedicação. Por seus livros. Por colaborar em Lausanne ’74. Por suas pregações bíblicas. Pelo sermão “Tirai a pedra”. Por contribuir na viabilização da cruzada de Billy Graham no Brasil. Pelo Seminário Batista. Pelo Colégio Batista. Por incendiar o Brasil com a renovação do Espírito Santo. Por sua integridade. Pela Igreja Batista do Povo. Por sua família. Por ensinar que devemos jogar fora os ratos mortos. Por ensinar o genuíno significado da palavra “avivamento”. Por ser um reformador, um pioneiro, um estadista do Reino. Pelo trabalho a frente da Sociedade Bíblica do Brasil. Por ser um dínamo de Deus na terra. Por ser um herói da fé verde e amarelo. Pela oportunidade de ter...

A conversão do arqueólogo ateu William Ramsey da Universidade de Oxford

Ao contrário dos relatos míticos de vários supostos deuses de religiões pagãs, de cultos de mistérios, as narrativas dos evangelhos descrevem Jesus como um homem de carne e osso que viajou por locais geográficos reais e interagiu com personagens históricas conhecidas. Fica evidente que ele ocupou um lugar específico no tempo e no espaço quando se estuda a geografia histórica de sua época. Os detalhes históricos e geográficos nos relatos dos evangelhos dão clara evidência de que os escritores não inventaram as suas histórias. Por exemplo, o evangelho de Lucas traz com exatidão 53 localizações geográficas em seu evangelho. Sir William M. Ramsay, doutor da Universidade de Oxford, Inglaterra, passou 25 anos pesquisando a Ásia Menor e comparando os registros de Lucas. Ele era ateu, mas chegou à conclusão...

Lista de cientistas cristãos notáveis

Confira a lista de cientistas cristãos que fundaram diversos ramos científicos: Joseph Lister (Cirurgia anti-séptica); Louis Pasteur (Bacteriologia); Isaac Newton (Cálculo e Dinâmica); Johannes Kepler (Mecânica celestial); Robert Boyle (Química e Dinâmica dos gases); Georges Cuvier (Anatomia comparativa); Charles Babbage (Ciência da computação); Lord Rayleigh (Análise dimensional); Joen Ambrose Flemig (Eletrônica); James Clerk Maxwell (Eletrodinâmica); Michael Faraday (Eletromagnetismo e Teoria de campo); Lord Kelvin (Energética); Henri Fabre (Entomologia de insetos vivos); George Stokes (Mecânica dos fluidos); sir William Herschel (Astronomia galáctica); Gregor Mendel (Genética); Louis Agassiz (Geologia glacial e Ictiologia); James Simpson (Ginecologia); Matthew Maury (Hidrografia e Oceanografia), Blaise Pascal (Hidrostática); William Ramsey (Química isotópica); John Ray (História natural); Bernard Riemann (Geometria não-euclidiana); David Brewster (Mineralogia ótica)

Quando você não tem a menor ideia do que está pedindo a Deus (Mt 20.20-22)

Desde criança me ensinaram que existem três respostas de Deus às nossas orações de súplica. A primeira é “sim”, e Deus atende nosso pedido. A segunda é “espere”, e Deus não nos responde imediatamente. A terceira é “não”, e Deus nega nosso pedido. Ocorre que em Mateus 20.20-22 encontramos outra resposta: “Você não tem a menor noção do que está pedindo”. O texto narra: “Então, aproximou-se de Jesus a mãe dos filhos de Zebedeu com seus filhos e, prostrando-se, fez-lhe um pedido. ‘O que você quer?’, perguntou ele. Ela respondeu: ‘Declara que no teu Reino estes meus dois filhos se assentarão um à tua direita e o outro à tua esquerda’. Disse-lhes Jesus: “Vocês não sabem o que estão pedindo. Podem vocês beber o cálice que eu vou beber?”. A...

Quando a igreja não serve para nada (Mateus 17.14-21)

O relato de Mateus 17.14-21 nos ensina lições valiosas sobre os discípulos de Jesus.A narrativa informa que havia um jovem possesso pelo mal. Um jovem que tinha ataques e sofria muito. Somos informados que ele caia “no fogo ou na água” (Mt 17.15b). O rapaz era um exemplo supremo de destruição com fortes tendências suicidas.   Infelizmente, há muitos jovens assim em nosso tempo. Jovens vivendo literalmente com um comportamento autodestrutivo.Somos informados que o pai daquele rapaz “aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se diante dele e disse: ‘Senhor, tem misericórdia do meu filho. Ele tem ataques e está sofrendo muito” (Mt 17.14-15a). O homem estava aflito com a situação espasmada do filho. Assim como fazem muitos pais hoje, aquele homem queria ajudar seu filho. Ele intercedeu humildemente diante de Jesus buscando ajuda.   É nesse...

Vitória sobre a religiosidade (Mateus 17.24-27)

Cansado da religião? Ótimo, é um bom sinal.   Compreende todo o mal da teologia da prosperidade, do mercado da fé, da asneira gospel? Ótimo, é um bom sinal.   Começou reclamar de tudo, choramingar ladainhas, falar mal das igrejas, denegrir imagem das pessoas, amargurar o mundo, e não fazer nada útil? Péssimo, você não entendeu ainda como é possível triunfar sobre a religiosidade.   Mateus 17.24-27 nos ensina nocautear com eficiência a religiosidade: “Quando Jesus e seus discípulos chegaram a Cafarnaum, os coletores do imposto de duas dracmas vieram a Pedro e perguntaram: ‘O mestre de vocês não paga o imposto do templo?’. ‘Sim, paga’, respondeu ele. Quando Pedro entrou na casa, Jesus foi o primeiro a falar, perguntando-lhe: ‘O que você acha, Simão? De quem os reis da terra cobram tributos e impostos: de...

Meus olhos ardem de amor pelo Rei do Universo

Uma das experiências espirituais que mais tocam meu coração é ver o nascer do sol em pleno voo. Toda vez que pego um avião de madrugada, não consigo dormir direito, tamanha alegria que sinto em ver o sol nascer do alto das nuvens. Na aeronave está um profundo silêncio. Tudo escuro, todos dormem, menos os pilotos (eu espero).   No denso silêncio do voo eu observo atento pela janela. Primeiro surge uma tênue claridade no horizonte. A luz aumenta gradativamente e pode-se ver a curvatura do nosso planeta. Logo a silhueta da Terra fica bem demarcada e surge uma faixa avermelhada no horizonte. As estrelas e a escuridão permanecem do lado de cima. Apenas a estrela D’alva, o planeta Vênus, permanece visível a olho nu na faixa de luz. A claridade aumenta...

A Igreja descalça

Minha infância era igreja. Andava descalço dentro do templo. Sabia que não era templo. Já entendia que era apenas um galpão e que a igreja eram as pessoas. Mas eu gostava de ficar lá. Eu olhava as cadeiras de plástico. Eu olhava as pessoas felizes no mutirão. Limpando aquelas cadeiras, esfregando o chão. Eu olhava meu pai feliz. E eu também ficava. Depois todos saiam, mas eu ficava lá. Erguia a cabeça e via as telhas. Algumas eram transparentes. Era um galpão simples. Mas a igreja se reunia ali. Era um lugar sagrado. Ficava no silêncio sozinho. Sentava no banco do baterista. Imaginava-me tocando bateria no culto. Pegava duas canetas e fingia ser baterista. A bateria não tinha os pratos. Estavam guardados. Mexia nos botões da mesa de som e dos amplificadores. Depois colocava os botões nas posições exatas que estavam antes. Depois ficava atrás do púlpito. Não tinha altura suficiente. Ninguém...

Dr. Charles Cullis e a acolhida dos incuráveis

Na obra A surveyof 20th CenturyRevivalMovements in North America, Richard M.Riss conta a história do medico Charles Cullin, da cidade de Boston nos Estados Unidos. Em abril de 1862 ele começou a procurar um lugar para abrigar os doentes considerados “incuráveis” pela medicina da época e que não eram aceitos no Massachusetts General Hospital. Cullis começou alimentar o desejo de cuidar desses pacientes sozinho. Quatro meses depois ele teve uma profunda experiência com Deus e passou a estudar sobre santidade.Cullis alimentava seu antigo sonho ao receber notícias do ministéro de Dorothea Trudel, que passou a receber doentes em sua própria casa na Suiça em 1851. Em janeiro de 1864, Cullis compartilhou seu desejo em estruturar um abrido para os doentes “irrecuperáveis” como o Capitão R. Kelso Carter, que o...

Os intercessores do Tabernáculo Metropolitano 

Charles HaddonSpurgeon é considerado um dos maiores pregadores de todos os tempos. Ele esteve à frente de uma igreja batista, o Tabernáculo Metropolitano em Londres no século 19. Spurgeon sempre atribuiu o sucesso de seu ministério a Deus, mas nunca deixou de exaltar o grande ardor pela oração de seus intercessores. O local onde esses irmãos anônimos se reuniam constantemente parar orar, especialmente nos dias de culto, era um salão abaixo do auditório principal onde cerca de dez mil pessoas se reuniam para ouvir Spurgeon. Esse salão ficou conhecido como o verdadeiro “sistema de aquecimento” daquela igreja. David Larsen na obra Anatomia da pregação conta que cinco universitários foram visitar o Tabernáculo Metropolitano e Spurgeon os levou para o “sistema de aquecimento”: eles ficaram “surpresos diante de setecentas pessoas...

Damas da caridade

  A ordem Damas da Caridade, também conhecida como Irmãs da Caridade, foi criada pelo reformador católico francês Vicente de Paulo (1581-1660) em parceria com Luísa de Marrilac. Os autores D. James Kennedy e Jerry Newcombe contam na obra E se Jesus não tivesse nascido que Vicente de Paulo disse às irmãs: “Vocês devem sair e achar o doente pobre. Vocês farão o que o nosso Senhor fez. Ele ia de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, e curava a todos que encontrava”. Segundo Colin Jones, “aquelas mulheres vieram para assumir o controle de quase todos os hospitais e instituições de caridade na França, já no fim do antigo regime [França pré-revolucionária], em um processo que deve ser classificado como uma das mais notáveis realizações de mulheres trabalhadoras, no...

Sr. Wright

Wesley Duewel está com 97 anos de idade neste momento em que escrevo a presente linha. Duewel é uma autoridade mundial em missões, já serviu como missionário na Índia por 25 anos e escreveu livros já traduzidos para 58 idiomas, com 2,5 milhões de exemplares vendidos. Mas o foco aqui não é Duewel, mas sim um fiel intercessor diante de Deus, o Sr. Wright de UpperHutt na Nova Zelândia. Duewel conta no livro Avalie a sua Vida: O Sr. Wright mostrou-me seu quarto de oração e seu caderno de orações cheio de mapas, fotos de obreiros cristãos, inclusive a minha, e me disse como ele passava grande parte de seu tempo cada dia intercedendo pelo trabalho de Deus ao redor do mundo.

Uma menina que ficou indignada com um ateu

Está registrada no livro Histórias de Moody para crianças, a história de uma professora de escola dominical que levara todos seus alunos a Jesus. Essa mulher desafiava as crianças a trazerem outras crianças para a igreja. Certa vez, uma menina contou para a professora que estava tentando trazer uma criança de uma família conhecida, mas o pai era ateu e não permitia. A menina perguntou: “O que é um ateu?”, ao que a professora respondeu prontamente. Depois de alguns dias essa menina viu aquele homem, chegou perto dele e perguntou: “Por que o senhor não ama Jesus?”. O homem continuou andando e a menina repetiu a pergunta várias vezes até começar a chorar. Ele afastou-se dela e foi embora. Mas quando chegou ao seu escritório, não conseguia tirar aquela pergunta da mente:...

Hunna (ou Huva)

Richard Foster conta em sua obra Rios de Água Viva a história de Hunna, que teria morrido por volta do ano 679:   Pouco se sabe da biografia de Hunna, uma nobre de nascimento, a não ser que ela era da província francesa da Alsácia e que se casou com um nobre, Huno, que era da vila de Hunnaweyer, na diocese de Estrasburgo (França). Sua importância se deve à sua disposição de lavar roupa para seus vizinhos necessitados, apesar de ser nobre. Essa prontidão lhe deu o epíteto de “A Santa Lavadeira”. Nessa atividade servil, ela contribuiu para a definição da vida sacramental.   A vida sacramental é uma das grandes tradições da espiritualidade cristã, e está baseada no serviço, oração e devoção a Deus na vida diária, da vida profissional às tarefas domésticas. Ancorada...

Padre Joseph Damien

Por Davi Lago Em sua obra O Cristo Incomparável, John Stott conta a história do belga Joseph Damien, um piedoso padre católico romano que ajudou leprosos no Havaí em meados do século 19. Em 1863, o Padre Damien chegou ao Havaí e ficou horrorizado com a situação das vítimas da lepra: elas eram banidas permanentemente na ilha de Molokai. Ali, aqueles enfermos sofriam uma existência miserável na doença, imundície e pobreza. Stott afirma que: Padre Damien apresentou-se como voluntário para viver entre eles. Sepultava-lhes os mortos. Levava-lhes higiene. Construía igrejas e capelas, limpava reservatórios de água, consertava as casas e o hospital, construiu um orfanato, ensaiava o coral e servia-lhes de professor, carpinteiro, pedreiro, sacerdote e amigo. Seu ministério altruísta continuou por dezesseis anos até que certa manhã de domingo em 1885, durante...

A necessidade urgente de lucidez

Por Davi Lago O ser humano é dotado de capacidade reflexiva e desde tempos remotos questiona-se sobre o sentido da vida. “O homem é viciado em significado. Todos nós temos um grande problema: nossas vidas têm de ter alguma espécie de conteúdo. Não suportamos viver sem algum tipo de conteúdo que possamos ver como constituidor de significado”, afirmou o filósofo Lars Svendsen no livro “Filosofia do tédio”. A ausência de sentido para a vida no mundo contemporâneo é notória. Os grandes pensadores e pesquisadores da cultura pós-moderna concluem a mesma coisa: vivemos numa sociedade desorientada. O vazio existencial que emergiu na cultura é tão grande que até mesmo grandes questionamentos filosóficos mudaram. O pensador Jean Baudrillard afirmou que antigamente a pergunta existencial era: “por que há alguma coisa em vez de...